sexta-feira, 24 de março de 2017

Somos líder RAPS!!!!

Fomos escolhidos em seletiva nacional como líder político RAPS - Rede de Ação Política pela Sustentabilidade.
Foram escolhidos 56 nomes dos 1200 inscritos. Dentre eles o nome do vereador Chiquinho de Assis do Partido Verde de Ouro Preto.

RAPS é um centro de capacitação e apoio de lideranças onde verificamos como está o desenvolvimento da política no âmbito local, estadual e nacional e suas políticas públicas aplicadas. Lá elaboramos diagnósticos dos principais problemas de determinadas áreas estratégicas para apontarmos propostas de políticas públicas, de caráter transformador, a serem adotadas.
Líderes Políticos RAPS são aqueles que atuam, institucionalmente ou não, de maneira ativa e responsiva em relação às políticas públicas e em relação ao intere
sse popular.

Vereador Chiquinho de Assis é eleito Membro do Diretório Estadual do Partido Verde - MG

Partido Verde de Minas Gerais é o primeiro Diretório Partidário da sigla no País

O PV de Ouro Preto esteve presente na Convenção Estadual do Partido Verde, na última quarta-feira (22/02). Na ocasião o partido deixou de ser comissão provisória para se tornar o primeiro Diretório Partidário a nível estadual do PV no Brasil. 

Durante a convenção foi eleita a nova diretoria do partido e o presidente do PV em Ouro Preto, Chiquinho de Assis, foi eleito membro do diretório estadual.  O evento aconteceu da Assembléia Legislativa e contou com a presença de vários deputados e membros do Diretoria Nacional do Partido. O compromisso agora é será eleger os diretórios municipais e se preparar para a eleição de Deputados Federais e Estaduais no ano de 2018. Segundo o vereador Chiquinho de Assis a tendência é que o Partido Verde tenha pre- candidatos a Deputado Estadual na região dos inconfidentes. 

Tum tum tum: Zé Pereira - Olha o Roque. Cariá!!!!


No ano em que celebramos os 150 anos do Zé Pereira, a agremiação mais antiga do país em atividade, o boneco e seus tambores voltam às ruas trazendo o encanto, a beleza, os sonhos daqueles que não desistem nunca de brincar.
Ao perceber as portas da Rua Santa Efigênia se abrirem, dezenas de meninos e meninas já sabem:
- Hoje tem Zé Pereira? Tem sim senhor.
As famílias correm ao Largo de Marília, os meninos e suas latas velhas tocam o som estampido na memória. Começam a se desdobrar movimentos inspirados no velho Zé.
- Que Bloco é esse? Pergunta o turista aprendiz.
- Bloco não meu senhor – responde um senhor da janela - é o Club dos Lacaios…
Isso mesmo Club, numa influencia talvez dos Clubs da segunda metade do século XIX que apareciam para ser local de encontros das famílias abastadas dos Estados Unidos e da Europa.
Mas foi às avessas desse ambiente que os funcionários rasos do Palácio do Governador se organizaram, ou melhor, se ressignificaram para celebrar o carnaval. Uma ressignificação dos Lacaios.
Daí se passaram anos, décadas, jubileus, bodas múltiplas e aqui estamos.
O Zé Pereira, com a sua mesma magia, com os seus bonecos, seus tambores, seus clarins, talvez nos falte as lanternas…
Mas lá está ele, em janeiro, fevereiro, ladeira acima, ladeira abaixo. O boneco que um dia me assustou, hoje assusta meu filho. Assusta e encanta. Atiça e conquista. Afasta e aproxima. Sua batida hipnotiza.
Desse sincretismo, dessa paradoxal resposta anímica, surge a figura de Zé. Nossa Glória Maior Carnavalesca da fonte momesca.
Zé, mais um Zé. Mas esse não seria ninguém sem a sua baiana, sem o Benedito e sem tantos outros bonecos que virão. Mas, também sou obrigado a reconhecer, Zé não seria Pereira sem o Cariá. O capeta que afasta, que assusta, que encanta a multidão. Com seus chifres, seu rabo, seu garfo a lamber fogo no chão.
O Cariá que vivi, o Cariá que foi o meu carnaval, é o Cariá Roque. Roque e seu estado temperamental, temperou o carnaval de gerações. Hoje ele segue mais tímido, levando o estandarte da agremiação depois de animar e guardar o Zé Pereira com seu garfo por 65 anos. Roque é o maioral da tradição. A lembrança viva do Zé Pereira.
Roque das Cabeças agitando Antônio Dias. Roque dos mistérios, Roque da Magia. Roque que quando foi cariá pela primeira vez o Zé Pereira tinha apenas 85 anos de tradição, hoje 150.
Ou seja, o meu Zé Pereira não existe sem o Roque. Aos que chegam segue o exemplo, aos que sempre zelaram por essa tradição o nosso reconhecimento. Salve seu Dodo e família e todos os demais. Aos que não deixam a peteca cair segue o nosso abraço. Salve Arthur jovem apaixonado.
Que a imagem do encontro seja a certeza da continuidade.

Pausa.

Enquanto escrevo escuto um bloco se aproximar esquentando os tambores lembrando o ritmo do Zé Pereira.
Que essa magia sesquicentenária seja a nossa guia nos próximos 150 anos.
Que pena, lá não estarei, mas de onde estiver, quero ouvir os meus netos e bisnetos a gritar:
Tum Tum Tum – Zé Pereira
Tum Tum Tum Tum – Zé Pereira

sábado, 5 de novembro de 2016

Hoje se completa completa 1 ano da Tragédia de Bento

Um ano de um crime que matou crianças, trabalhadores, moradores, seres humanos. Matou a fauna e a flora contaminando centenas de kilomêtros. De Bento Rodrigues (MG) a Regência (ES).
Não podemos ser um povo sem memória.
Eis a canção que fiz para refletirmos...
Chega de LUTO é hora de LUTA!!!!

Ps.: As imagens são do amigo Guilherme Niquini e foram feitas semanas antes da tragédia.

https://youtu.be/1RfTfwAuuhY

domingo, 23 de outubro de 2016

Obrigado Paris, Grenoble, Lyon. Que essa união de gestores culturais (Brasil, Senegal, Tunísia, Burkina, Costa do Marfim, África Central, Croácia, Argentina, Portugal e Coreia do Sul) possa levar aos países de origem o sentimento que aqui desenvolvemos de Paz, Respeito, Trabalho, Aprendizado e União. 
Obrigado Ministério da Cultura da França
Obrigado Maison des Culture du Monde 
Viva a Diversidade!!!!

Ps.: partindo da França agora. Que Deus nos abençoe!!!! Morrendo de Saudades do Brasil...

sexta-feira, 21 de outubro de 2016


Curso Concluído

Certificado entregue essa manhã pelas mãos do Representante do Ministério da Cultura no Museu da Imigração. 
Dedico essa conquista à cultura brasileira. A todos os mestres e fazedores da Cultura que sempre me inspiraram a viver a cultura e sonhar com uma política cultural que valorize a diversidade. 
Obrigado Raíssa e família pelo apoio incondicional.
Obrigado aos amigos artistas e gestores culturais 
Obrigado a meus assessores de gabinete pela dedicação. 
Obrigado Brasil. É bom sentir o sangue da mistura brasileira correndo em minhas veias...
Viva a diversidade!!!!

quinta-feira, 20 de outubro de 2016


Hoje recebemos o certificado de conclusão da primeira etapa do Curso: "Políticas Culturais e sua Gestão" das mãos da direção do Observatoire des politiques culturelles en Grenoble - França. 

Amanhã receberemos a conclusão do Concurso do Ministério da Cultura da França. 
Nossa missão e responsabilidade aumentam. 
A cultura precisa muito de legisladores (vereadores, deputados, senadores). Só assim teremos um arcabouço de garantias legais e espaço nas rubricas orçamentárias para transformar o país econômica e socialmente pela arte, pela cultura, pela educação...
Sigamos!!!!